3 de abril de 2016

Peemedebistas contestam 'golpe do Michel"


Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

O pedido de expulsão da ministra da Agricultura Katia Abreu, apresentado nesta sexta-feira pelo diretório baiano do PMDB, liderado por Geddel Vieira Lima, deflagrou as reações da ala governista contra o que estão chamando de “golpe do Michel” – a aprovação do rompimento com o governo por aclamação numa reunião relâmpago, sem discussão e votação. Eles devem contestar internamente e até mesmo na Justiça Eleitoral a legalidade do ato, com base na decisão da convenção do dia 14, que deu 30 dias para o Diretório Nacional decidir sobre a relação com o governo Dilma. “Não houve delegação para rompimento”, diz um dos articuladores da reação.

Eles vão alegar que, da forma como foi conduzida a decisão, os membros do Diretório Nacional tiveram subtraído o seu direito de opinar e de votar, o que pode levar à anulação da decisão pelo TSE. Esta seria a derrota completa de Michel Temer, embora ele já tenha colhido um desgaste enorme com a decisão. Ficou com a pecha de golpista e teve sua imagem colada à dos que aparecem na fotografia, agora emblemática, dos que festejaram o rompimento de forma tão inusual: Romero Jucá, Eduardo Cunha, Moreira Franco e Eliseu Padilha.

As declarações do presidente do Senado, Renan Calheiros, contra a decisão, que considerou “precipitada” e “burra”, expressam a reação interna que está sendo articulada. O PMDB da Câmara está rachado mas o do Senado está unido, com a defecção de Romero Jucá.

Nas últimas horas, os governistas fizeram várias reuniões para discutir a reação, ao mesmo tempo que negociam com o Planalto quem vai permanecer no ministério. As manifestações de solidariedade a Katia avalizaram sua permanência no cargo e levantam uma pergunta: "E se outros ficarem, também terão suas expulsões requeridas?". Aí pode ter outro racha no partido, como aquele que deu origem ao PSDB, diz um dos insurgentes.

Além de Katia, ao contrário do que tem sido divulgado, o ministro da Saúde, Marcelo de Castro, deve permanecer. E também Helder Barbalho de Portos, depois que seu pai, Jader Barbalho, embora muito amigo de Michel, decidiu permanecer ao lado do governo após um encontro com o ex-presidente Lula.

Por outro lado, dezenas de cargos ocupados por indicação de Michel, Moreira Franco, Jucá e Eliseu Padilha estão sendo mapeados para serem demitidos.

Jucá tornou-se alvo particular da ira dos governistas e também dos petistas depois da afirmação de que o “petróleo” tem DNA do PT. “Logo ele, que já apareceu em tantas delações premiadas da Lava Jato”, dizem os governistas.

A repactuação entre o governo e a ala governista do PMDB, somada às alianças que estão sendo negociadas com PP, PR, PSD e pequenos partidos, estão sendo favorecidas pela resistência ao impeachment que vem das ruas: as manifestações de sexta-feira, os atos de apoio a Dilma e as declarações de personalidades e organizações representativas. Já se fala em 200 votos contra o impeachment.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe Seu Comentário