Pelo Fim da Corrupção, PSDB Comandará o Ministério da Justiça e Defesa Nacional

PSDB comandará Ministério da Justiça de Temer. Advinha o que acontecerá com corruptos tucanos

 

 Com vistas a atender a ala mineira do partido, o peemedebista havia aventado o deputado federal Newton Cardoso Jr (PMDB-MG) para assumir a Defesa, mas após forte reação das Forças Armadas, Temer desistiu da escolha. Enquanto não decide o diálogo com o próprio partido, Michel Temer aproxima-se, cada vez mais, dos nomes tucanos para a sua gestão.
 
O impasse com a escolha para a Defesa começou após reunir-se com o deputado Newton Cardoso Jr (PMDB-MG), na manhã desta quarta-feira (11), decidindo colocar o deputado no Ministério, caso assuma a Presidência do país. A informação chegou a ser confirmada por deputados mineiros que estiveram com Temer hoje pela manhã.
 
A notícia não foi bem recebida pelas Forças Armadas. Em entrevista à Folha de S. Paulo, um general da cúpula militar disse ser "inacreditável que um menino de 36 anos venha a comandar homens de mais de 60 anos, num momento delicado de crise no país, às vésperas de uma Olimpíada". 
 
Também não foi de consenso de todos os peemedebistas. Um líder chegou a afirmar que se a indicação fosse confirmada, seria uma "tragédia", já que o deputado mineiro "não tem nenhuma tradição na área, nem experiência para comandar as Forças Armadas".
 
Após a reação, Temer cedeu aos militares e voltou atrás de sua decisão. Afirmou que o deputado mineiro não será nomeado para ocupar a pasta.
 
Enquanto um nome para a Defesa ainda carrega incertezas dentro do próprio PMDB, o governo de Temer não deixa dúvidas para influências do PSDB na sua hipotética gestão. O Ministério da Justiça deverá ser comandado pelo atual secretário de Segurança Pública de Geraldo Alckmin, em São Paulo, Alexandre de Moraes.
 
Com histórico de investigação por ter atuado como advogado em 123 ações da Transcooper, uma das apontadas em formação de quadrilha e lavagem de dinheiro do Primeiro Comando da Capital (PCC) e com polêmica atuação frente à Segurança do Estado de São Paulo, sendo reconhecido por atuar de forma "dura" junto às Polícias Militares, Alexandre de Moraes tem o apoio de Temer.
 
Ainda nesta quarta-feira (11), o governador Geraldo Alckmin anunciou que a extensão da influência de seu partido não para no Ministério da Justiça. Alckmin disse que atuará como "parceiro" do futuro governo de Michel Temer, "para aprovar as reformas que o país precisa". 
 
A declaração ocorreu durante a formatura de policiais militares no Anhembi, na zona norte da capital paulista. No evento, elogiou a atuação do secretário Alexandre de Moraes, em tom de despedida. "Primeiro, é preciso completar o processo no Senado, depois o presidente Temer assumir. E, então, ele vai escolher a sua equipe", disse o governador.
 
"Já vai ser uma sorte se o dia amanhecer, porque nunca sabemos o que está por vir", ainda afirmou, no mesmo evento, o possível futuro ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Share this:

Comentários