7 de julho de 2016

Cunha Renuncia a Presidência da Câmara, Com a Promessa de Salvação



O Presidente afastado da Câmara dos deputados; Eduardo Cunha do PMDB faz pronunciamento em coletiva de imprensa, informando sua renúncia do cargo. O mesmo faz um discurso de hipocrisia, se colocando como vítima de perseguição, mesmo a PGR tendo todas as provas de seus desvios, recebimento de propina e contas não declaradas no exterior. 

O ato faz parte de uma estratégia adotada pelo Palácio do Planalto, para tentar salvar o mandato de Cunha como a ele foi prometido. A ideia seria com a saída dele da presidência, o foco sobre sua investigação desse uma esfriada, com isso ganharia força e ajuda do PSDB, DEM, PP, PSC, SOLIDARIEDADE e PMDB, para jogar todas as fichas, em uma vitória na CCJ e com isso salvar o corrupto da cassação.

Refém do colega de partido, o Presidente Interino Michel Temer recebeu Cunha esta semana, junto com o deputado federal Paulinho da Força, SD onde traçaram os planos de sua salvação do mesmo, que será acompanhado e orientado pelo líder do Governo na Câmara: Adré Moura-PSC.

A Folha de São Paulo, trás uma matéria nesta quinta feira, detalhando um pouco do acordo que está por trás da renúncia de Eduardo Cunha. Leia na íntegra;

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai anunciar nesta quinta-feira (7) sua renúncia da presidência da Câmara dos Deputados. Segundo aliados, ele já tem pronta uma carta e irá divulgá-la ainda nesta tarde em pronunciamento.
Cunha quer um acordo dos líderes para antecipar eleição da Câmara para o início da próxima semana. O nome pelo qual ele tem predileção para ocupar o mandato tampão pelos próximos meses é do deputado Rogério Rosso (PSD-DF), mas há pelo menos 12 candidatos informais na Casa para disputar o pleito.

Os boatos de que Cunha vai renunciar ainda hoje já fizeram com que deputados da Casa começassem a se movimentar. No PRB, por volta de 12h já ocorria uma reunião para articular um candidato à eleição do mandato tampão.

A decisão de enfim deixar o cargo em definitivo ocorreu em reunião na noite de quarta (6), após a divulgação do voto de Ronaldo Fonseca (Pros-DF) na Comissão de Constituição e Justiça, que acatou apenas um dos 16 questionamentos de Cunha à tramitação de seu processo no Conselho de Ética, que recomendou a cassação de seu mandato.

Com a renúncia à Presidência da Câmara, Cunha acredita que pode tentar reverter votos na CCJ para fazer o caso voltar ao Conselho de Ética e, quem sabe, salvar seu mandato.