Eduardo Cunha Trabalha para eleger seu Aliado na presidência da Câmara

Aliados de Cunha pedem reunião para garantir eleição de sucessor na terça
Alan Marques/Folhapress
Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é cercado por jornalistas durante entrevista coletiva para anunciar sua renúncia à presidência da Câmara
Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é cercado por jornalistas durante entrevista coletiva para anunciar renúncia


Após a renúncia de Cunha, aliados correm para eleger um sucessor fiel ao deputado afastado de forma a garantir um nome "de confiança" na presidência quando a cassação do peemedebista chegar ao plenário.

Diante da incerteza sobre o dia da eleição do novo presidente da Câmara dos Deputados, líderes aliados a Eduardo Cunha (PMDB-RJ) assinaram nesta sexta-feira (8) um ofício no qual pedem a convocação de uma reunião da Mesa Diretora para a próxima segunda (11) com o intuito de garantir que a votação para escolha do sucessor do peemedebista ocorra na terça (12).

Nesta quinta, uma decisão do colégio de líderes estabeleceu que a eleição ocorrerá na terça (12), a partir das 13h59. A data contraria a convocação feita horas antes pelo presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), para quinta (14), 16h.

O Diário Oficial da Câmara trouxe, em sua edição desta sexta, as duas decisões publicadas. Maranhão garantiu, no início da tarde, que a decisão cabe a ele e, portanto, a eleição seria na quinta, mas não deixou claro se invalidaria a sessão de terça, convocada pelo colégio de líderes.

Com esse cenário, aliados de Cunha se reuniram e decidiram convocar a reunião da Mesa. A ideia é que, por maioria, a Mesa invalide o ato de Maranhão que convoca a eleição para quinta e, assim, garantam, como querem, que o sucessor do peemedebista seja escolhido no início da próxima semana.

A guerra de forças para definir quando será a eleição tem sobrado até para os funcionários da Casa. Na manhã desta sexta, alguns deles começaram a montar as cabines de votação no plenário, com as urnas eletrônicas. Maranhão mandou que tudo fosse recolhido.


Para Rogério Rosso (PDS-DF), um dos nomes mais cotados, isso indica a disposição de Maranhão de protelar a eleição somente para depois do recesso branco, em agosto. "Tudo leva a crer que não teríamos eleição nem na quinta", afirmou. 

Share this:

Comentários