21 de julho de 2016

Entenda Porque a Oposição do Acre é um Balaio de Gatos



Esta semana presidente estadual e ainda pré Candidato pelo DEM Tião Bocalon, saiu atirando para tudo que é lado. O ex prefeito de Acrelândia acusou o deputado Major Rocha e a presidente do PR Antônia Lucia, de não cumprirem um acordo feito em torno de seu nome para ser o candidato a prefeito da aliança; DEM, PSDB, PR, PEN, PTC e PSC.  

Antônia Lúcia Desmente Bocalon

Antônia Lúcia de imediato respondeu pela sua página no Facebook, onde amesma desmente o Democrata, dizendo que realmente tiveram uma conversa com Bocalon e que foi sugerida uma aliança para que o mesmo viesse a disputar com apoio da aliança, mas que para se consumar de fato; Bocalon teria que se filiar no PR, coisa que não aconteceu.

A missionária disse em sua resposta, que inclusive chegou a ajudar Bocalon, em uma viagem ao Paraná, onde o mesmo estaria indo resolver problemas familiares e que na volta ficou de dar uma resposta, coisa que não aconteceu. 

A Missionária afirma que para não ficar refém de Bocalon, acertou a filiação do vereador Raimundo Vaz no PR, dando-lhe a garantia de disputa em uma aliança que veio a se formar justamente com PSDB, depois que Rocha se viu imprensado pelo PMDB em vários municípios do Acre.

Presidente do PSDB, deputado Major Rocha rebate Bocalom: “ele sim tem o costume de não cumprir acordos”

O Presidente Regional do PSDB deputado Major Rocha, rebateu duramente as acusações do Democrata Tião Bocalon. Segundo Rocha, o PSDB não tem acordo algum firmado com DEM, pelo contrário; o Bocalon é que não cumpriu um acordo firmado em 2012, quando disputou a prefeitura de Rio Branco, prometendo apoiar Márcio Bittar na disputa de Governo de 2014.
Segundo Rocha, para não cumprir o acordo Bocalon teria saído do PSDB e se filiado no DEM, ficando assim com as condições para novamente disputar o governo do estado em 2014, deixando o combinado para trás.

Rocha credita essa confusão na oposição ao PMDB, segundo o presidente do PSDB, o partido dirigido pelo deputado federal Flaviano Melo busca sim a unidade da oposição; desde que o PMDB esteja na cabeça.

Rocha faz referência a disputa em Cruzeiro do Sul, onde segundo ele tem o melhor nome, os tucanos apoiaram Vagner Sales nas duas últimas disputas e mesmo assim não abriram para um outro aliado.
A Verdade é que o pau vai cantar entre a oposição, em diversos municípios do Acre, Sena Madureira, Cruzeiro do Sul e na capital Rio Branco; onde todos apostavam em uma candidatura única da oposição, para disputa com Marcus Alexandre da FPA, que não tem nada com isso.

PSD em Má Situação

Quem não está achando um lugar dentro dessas confusões toda é o senador Petecão.  O presidente do PSD se vira para tudo que é lugar, conversa, desconversa e pelo visto cansou de pedir uma coisa quase impossível; União das Oposições para disputa.

Petecão deu corda em Márcio Bittar do PSDB, para que o mesmo aceitasse ser vice de Sinhazinque do PMDB e assim unificar toda oposição, pois é; o senador só esqueceu-se de combinar com Antônia Lúcia do PR e com o presidente do PSDB Major Rocha.

Bittar sabe pela experiência, que a essa altura do campeonato não tem mais espaço para unidade da oposição na disputa, apenas disse que aceitaria para causar confusão com seu desafeto Major Rocha, com quem disputa espaço dentro do ninho Tucano.

Em Rio Branco o PSD não tem outra saída e deve fechar apoio a candidatura de Eliane Sinhazinque do PMDB, mesmo sabendo que a chance de indicar a vice é mínima. Já em Cruzeiro do Sul o senador não viu alternativa diferente; vai apoiar o PSDB e indicar o vice de Henrique Afonso, afinal o PMDB prepara Vagner Sales para disputar o senado em 2018 e Petecão que besta não em nada, vai começar a se distanciar de seu possível concorrente. 

Todos Só Reclamam do Vagner Sales

Aliás Vagner Sales com sua postura coronelista, ajudou a jogar fervura no caldo da oposição, indicou PMDBistas como cabeça de chapa em todos os municípios do Juruá, mas por ser junto com Flaviano Melo os donos do PMDB, ninguém teve coragem de peitar sua decisão.

Gladson Cameli dar uma de liso

Gladson Cameli do PP tem um acordo com Sales, onde os dois estão de olho na disputa de 2018. Gladson assiste toda confusão dos colegas de fora, uma hora bota Vagner Sales, outra hora Bestene, assim vai ajudando a espatifaria, esperando juntar todos os mortos e feridos em 2018.

Assim segue a impossível missão da oposição realizar o sonho dos seus militantes, que sonham em um dia quem sabe em um futuro distante; ver todos unidos em uma disputa política.