29 de agosto de 2016

Rocha Afirma que o PMDB não tem como esconder a Corrupção do Prefeito Vagner Sales

O deputado federal Wherles Rocha (PSDB) concedeu entrevista coletiva à imprensa de Cruzeiro do Sul na manhã deste sábado, sobre o escândalo de compra de votos e apoio político pelo prefeito Vagner Sales em favorecimento à candidatura majoritária de Ilderlei Cordeiro (PMDB).
Rocha reafirmou que a corrupção eleitoral deve ser combatida em todos os partidos e campos políticos, negou que esteja ‘à serviço do PT’, como alega o PMDB, ou que tenha havido ‘armação’.
‘Vagner Sales caiu em sua própria armadilha’, disse.
Confira
Major Rocha – Cruzeiro do Sul pode ser tomado como um marco. Tivemos a tentativa de imposição de um grupo político que já está no poder há muito tempo e que usando de recursos escusos para comprar a consciência das pessoas, para comprar candidatos a vereador, para desmontar chapas e para tentar impor a continuidade de um projeto que já está ai há muito tempo
Mas pior que isso: esse recurso que é usado para comprar votos, vereadores e pessoas, faz falta nos postos de saúde. Quando a pessoa vai no posto e não tem o medicamento. Faz falta na merenda das escolas, na educação, na estruturação do município, na pavimentação de vias.
Tem pessoas que acham que todo mundo tem preço.
Temos que ter eleições limpas. Nessa eleição não pode prevalecer a vontade do prefeito ou do secretário. Tem que prevalecer a vontade do povo, a vontade coletiva.
Fomos criticados (por ter denunciado a compra de votos por Vagner Sales em favor do candidato Ilderlei Cordeiro, do PMDB) como se tivéssemos que compactuar com isso só porque o partido tá na oposição. A corrupção não tem lado. Corrupção não tem cor partidária. Bandido é bandido em qualquer lugar.
Elson Costa, jornal Voz do Norte –Vagner Sales credita esse escândalo a uma armação politica do PSDB. O que o sr. tem a dizer sobre isso?
M.R.  – As investidas contra o PSDB foram inúmeras. Henrique Afonso foi vitima de toda sorte de coação, perseguição. A chapa foi cooptada. Na gravação ele (Vagner Sales) fala.
O prefeito Vagner Sales caiu na armadilha que ele mesmo preparou: essa atuação dele querendo impor a sua vontade como se fosse o dono do Juruá, achando que estaria imune a aplicação da lei. Ninguém está acima da lei.
Ele foi vítima da própria armadilha que ele mesmo montou
(Vagner) se contradisse várias vezes em sua entrevista. Ele foi vitima da armadilha que ele mesmo preparou.
Nós não admitimos mais as velhas práticas que levaram Vagner Sales a se perpetuar no poder.
Leandro Altheman – Juruá em Tempo: Vagner Sales e o procurador do município dizem que é normal prometer cargos, que é parte da democracia. O que o sr. tem a dizer sobre isso?
M.R. – A Legislação é bem clara. Isso é corrupção eleitoral, não vejo como normal comprar votos usando maquina pública. Se o prefeito Vagner acha isso normal eu fico preocupado. Fico imaginando como ele ganhou as eleições anteriores, como ele ganhou dos aliados dele.
Isso não é normal, isso é uma prática que tem que ser extirpada do nosso meio. A politica é para servir, e não para se servir, então esse cidadão está pensando que essa política é para se servir. E não é assim.
Chico Melo – O que o PSDB espera o que da justiça eleitoral?
M.R. – Todos nós esperamos justiça. Esperamos que a lei seja aplicada. Não pode se admitir que uma pessoa com recursos escusos vá comprar uma eleição. Espero que o judiciário garanta uma eleição limpa. Queremos uma punição exemplar. Está mais do que claro os fatos praticados pelo prefeito Vagner Sales, Ilderlei Cordeiro, Mario Neto, Edson de Paula. Queremos que a justiça seja feita.
A Legislação prevê cassação de registro, multa e prisão. Queremos justiça. Temos hoje um grande empresário na cadeia. Essa justiça tem que chegar no meu estado.
Leandro Altheman – Juruá em Tempo – Vagner Sales demonstra muita confiança na sua banca de advogados. Já conseguiu inclusive cumprir mandato mesmo sendo um ficha-suja, mesmo condenado em três instâncias. Qual a confiança que o PSDB tem de que a justiça será aplicada dessa vez?
Sou bacharel em direto. As teses levantadas em defesa da candidatura, são teses sem sustentação. A tese da ilegalidade das provas não tem subsistência. Fala-se na ilegalidade da gravação. Teria que ter autorização. Mas veja só, a gravação que levou à prisão de Delcídio do Amaral foi feita sem autorização judicial. O que precisa, e aí tentam confundir as pessoas, é de autorização judicial para grampo telefônico, o que não é o caso.
Acredito que esse fato de Cruzeiro do Sul, que é o primeiro caso de corrupção eleitoral comprovado no Brasil nesse pleito, vai servir de exemplo nos outros estados. Esse caso está repercutindo positivamente, estão pensando duas vezes.
Leandro Altheman: – PMDB e PSDB são aliados em Brasília. Isso pode causar algum tipo de problema nessa aliança? Ou, pelo contrário, quando se chegasse em Brasília, haveria a possibilidade de um grande acordão para que esse processo morresse. Há essa possibilidade?
M.R – De forma alguma. PSDB está apoiando o governo Michel Temer, eu sou vice líder do governo. Mas, em governo algum vou admitir corrupção, desvio, compactuar com o errado. Temos o nosso presidente (municipal do PSDB) preso hoje por uma iniciativa nossa. Seja no PSDB, no PMDB ou no PT, nós não vamos compactuar com essas velhas práticas, com coisa errada seja onde vier.
Leandro Altheman  – Setores do PMDB chegam a dizer que o o PSDB, a candidatura de Henrique Afonso e mesmo o sr, estariam,  à serviço do PT. O que o sr. tem a dizer sobre isso?
M.R. De forma alguma. Todo mundo acompanhou nossa luta contra o PT. Nunca me aliei ao PT, quando o PT estava no auge. Não seria agora que eu iria me aliar. Na verdade as pessoas estão tentando distorcer para encontrar argumentos para os seus mal feitos. Eu não tenho aliança nenhuma com o PT. Agora também não temos aliança com coisa errada e reconhecemos: tem pessoa de bem e pessoas erradas em todos os partidos. As pessoas tem que reprovar esse tipo de prática.
Leandro Altheman – Como fica a ideia de uma oposição unificada a partir dessa situação?
O PSDB continua buscando a unidade dos partidos de oposição ao governo. Agora essa busca da unidade não nos faz jogar fora, jogar no lixo os nossos princípios para compactuar ou ser conivente com coisa errada.
Chico Melo – Com isso o sr está afirmando que não haverá no futuro uma aliança com Vagner Sales?
M.R. Quero esperar pela justiça. O PMDB é um grande partido. Mas como eu disse. Tem pessoas de bem e tem pessoas que não são de bem. Tem pessoas boas e pessoas más em todos os partidos. Nós queremos as pessoas de bem do PMDB
Elson Costa: Concretamente o que o PSDB está pedindo à justiça?
M.R – Este é um crime de ação civil pública incondicionada. O titular é o MP. Fizemos várias representações, pedindo o afastamento de Vagner Sales para garantir a lisura e imparcialidade que essa eleição ocorra de forma limpa e a cassação do registro de candidatura do PMDB por conta do envolvimento nesse processo todo.
Leia mais sobre o escândalo de compra de votos pelo PMDB: