"A Guerra Civil Que Dilacera Nossa Juventude"



 Quem Assume a Responsabilidade?


Não podemos achar normal a situação de uma nação onde o crime mata 156 mil pessoas por ano, sendo mais da metade jovens; como vítimas ou infrator. Temos que fazer análises mais profundas e questionamentos do tipo; O que leva a tudo isso?

A adoção de políticas extremistas, meramente repressivas, punitivistas e encarceradoras, tende a aumentar a exclusão sem reduzir as taxas de criminalidade e perpetuam o ciclo nefasto de recrutamento de jovens pelo crime organizado.

A cada Presídio Construído, são várias escolas e praças que deixaram de ajudar no futuro, a cada Jovem preso no sistema atual, um construtor a menos da sociedade se perdeu, a cada arsenal de armas adquirido pelo estado, Milhares de livros deixaram de entrar nas escolas.

A Deficiência na aplicação de uma política educacional de qualidade e falta de melhores oportunidades no mercado de trabalho, e também da dificuldade de acesso aos bens culturais, históricos pela maior parte da população. Em outras palavras, a maioria fica a mercê de uma minoria que detém os recursos, o que gera as desigualdades.

Não me venham com hipocrisia de que a sociedade oportuniza de forma igual o sucesso para todos. O sistema econômico que passa a perpetrar a idéia de acumulação de capital e de propriedade privada; ao mesmo tempo em que incita o princípio da maior competição e o nível das pessoas baseados no capital e no consumo, onde o seu semelhante se transforma em adversário.

A quem interessa as Manchetes de: Jovem de 16, 17, ou 29 anos foi assassinado? O que está levando a sociedade, que olha de fora dar monstruosas do tipo: Tem que tocar fogo no presídio com todos dentro?

O Estatuto da Juventude (Lei 12.852/2013) expressa que as políticas públicas de juventude devem ser regidas pelos princípios da promoção da vida segura, da cultura da paz, da solidariedade e da não discriminação, mas para que isso se operacionalize há um grande caminho a percorrer pelos agentes envolvidos no planejamento estratégico e na formação da agenda estatal.

Aqui quero me apegar de forma mais específica sobre o que diz o Estatuto da Juventude e o que os gestores nas três esferas estão fazendo na prática para inserir a Juventude na cultura de paz, na promoção da vida, seja pela cultura, esporte, lazer e principalmente a formação profissional através de uma política educacional acertada?

Temos muitas deficiências na implementação de ações eficazes, nossas periferias tem hoje, mais opções que leve um jovem ao submundo, do que o caminho pavimentado para construção de uma política social que eleve seu pensamento a outro patamar.

Precisamos não somente construir e deixar os espaços abandonados e sim criar políticas de uso e funcionamento, que possa aglutinar as pessoas, oferecendo de fato políticas alternativas ao ingresso destes no mundo da criminalidade.

O Acre é um estado pequeno, com condições reais de planejar e executar políticas de inclusão dos nossos Jovens, o problema esbarra na falta de interesse de grande parte dos nossos gestores públicos.

Muitas vezes é mais fácil usar a liberdade das redes sociais, para fazer medíocres avaliações, vinda de milhares de internautas que se limitam ao comodismo virtual. Muito desses não tem coragem de levantar do sofá, muito menos tirar o celular da mão e fazer sua parte na luta por uma sociedade melhor, simplesmente pela meritocracia plantada e assimilada pela opinião devastadora da mídia irresponsável.

Se fizer um planejamento social a médio e longo prazo, conseguiremos mudar o caótico cenário atual, caso contrário vamos ficar cada um no seu quadrado, com a falsa ilusão de responsabilidade de todo mundo e iniciativa de ninguém.

Encerro conclamando a unidade da divergente classe política do Acre, digo aos senhores; o problema que nos aflige deveria lhes unificar. É uma causa sem dono, muito menos de heróis, portanto caiam dentro dela e mostrem que estão fazendo uso da política para contribuir com a transformação da sociedade acreana.

Francisco Panthio: Ex Presidente da UJS - Acre 

Share this:

Comentários