25 de outubro de 2016

Moisés Diniz: A PEC 241 Vai Engolir Sonhos de Entrada na Universidade

MEU VOTO CONTRA A PEC 241

Senhor presidente, senhoras e senhores deputados,
Não opinei e nem votei na PEC 241, porque estava me recuperando de uma cirurgia.
Confesso que ainda estou assustado, com o que vi pela televisão. Primeiro, quero fazer um destaque fora da regra. Essa PEC não é só maldade, como estão falando por aí.

Ela tem um mérito: querer frear a baderna fiscal do nosso orçamento. O problema é o caminho que ela escolheu. Ela podia ser uma grande PEC, abraçada e querida por todos, mas preferiu virar uma sereia atrofiada, uma sereia frankstein: tem rabo de sereia e boca de tubarão.

Ela vai comer a merenda das nossas crianças, vai deixar sem creche os filhos dos pobres e comer o salário dos professores. Vai comer, como soda cáustica, as camas dos hospitais, vai tirar o remédio pra pressão alta dos nossos idosos. Essa PEC é tão má que vai beber até o metiolate e comer o esparadrapo dos hospitais.

Como a baleia de Jonas, vai engolir sonhos de universidade para os filhos dos pobres. E não vai durar só três dias, bote vinte anos aí. Parece que foi pensada por gente que não tem coração: vai matar a creche da criança e a universidade do adolescente. Vai deixar policiais sem balas e sem coletes. Vai dar aos criminosos o que eles queriam: um policial sem proteção.

Vai congelar o salário mínimo e deixar um pai de família sem dinheiro pra cuidar do menino que vai nascer, a saúde, o transporte, a escola, porque o dinheiro antigo é pra cuidar dos filhos mais velhos. Tudo isso pra agradar o mercado, poderoso, feliz, porque este não vai dar aumento real para os seus trabalhadores.

Mas, nem tocaram na dívida pública que, como uma casa mal-assombrada, ninguém tem coragem de auditar, abrir sua porta, porque se abrir, a Lava Jato vai parecer coisa de trombadinha, tamanha a sujeira que vamos descobrir na composição dessa dívida.

Na verdade, essa PEC é como aquela família que gastou tudo no jogo e tem que tirar a merenda e o cinema dos filhos pra pagar essa dívida.

Mas, essa PEC tem o seu lado bom: estanca a orgia dos altos salários e os esquemas corporativos dos barões do serviço público.

Por isso, não foi lúcida essa votação. Era pra ter tido um acordo: retirar educação, saúde e segurança da PEC e todo mundo votar, apesar dos outros danos, mas, a gente aprovava o que tem de bom, junto com esses danos menores.

Mas, como não fizeram acordo, prejudicando os trabalhadores, eu voto contra a PEC 241.
De minha parte, vou seguir do lado de cá, na oposição ao governo Temer, mas, vamos procurar as pontes que foram quebradas, procurar ouvir aqueles que nos atacam e me esforçar pra perceber as diferenças de voz política entre eles.

E lutar com paciência e persistência para que reconstruamos o campo democrático-popular, dessa vez mais horizontal, sem hegemonismo, com forte controle social, com utopias mais próximas do coração brasileiro, com ética renovada, radical e franciscana.
Muito obrigado!