A Prisão de Garotinho no Rio e a Omissão da Justiça Eleitoral do Acre


 

Por: Francisco Panthio 

O Brasil amanheceu com a notícia da prisão de um ex governador, deputado Federal e um dos maiores nomes da Política do Rio de Janeiro: Anthony Garotinho foi preso pela Polícia Federal, acusado de Compra de apoios e votos no processo eleitoral deste ano. 

A Justiça do Rio deu uma ação forte e de grande demonstração de que ganhar eleições para mandatos eletivos, usando do abuso econômico pode sim ser combatido. Em vários locais do País muitos vereadores e prefeitos usaram sim do poder financeiro e compraram seus mandatos pela forma perversa da compra do voto.

Essa Polícia Federal que levou Garotinho para cadeia é a mesma que vira as costas para os que foram eleitos abusando do poderio financeiro em outros lugares do Brasil. 

No Acre temos dois casos de eleitos que estão judicializados e se encontram lentamente caminhando a passos de tartarugas, sem que a sociedade tenha uma resposta quanto o que aconteceu de fato. 

01 - Ouve Compra de Votos na eleição de Cruzeiro do Sul?
02 - Vagner Sales articulou um esquema para comprar apoios e votos, ou vamos dizer que a gravação não era legal e ficará por isso?
03 - Em Tarauacá ouve Compra de apoio por parte da Prefeita Eleita: Marilete Vitorino, ou foi apenas a doação de um equipamento para uma academia?
04 - Qual Critérios a Justiça eleitoral usa para cassar um mandato obtido pela forma ilegal no Acre?

Precisamos cobrar da Justiça Eleitoral e da Polícia Federal no Acre, atitudes firmes, de um modo que não deixe a sociedade possa sentir se representadas por estas instituições. Em um estado pobre e cheio da negligência do estado como o Acre, é impossível aceitar que a justiça feche os olhos para a corrupção eleitoral. 

É inadmissível que a mesma Polícia Federal, que prende um Garotinho por compra de votos, não tenha condições de fazer uma perícia em gravações envolvendo o Prefeito de Cruzeiro do Sul Vagner Sales, que foi flagrado tentando comprar abusivamente votos e apoios para o prefeito eleito do PMDB.

A Justiça eleitoral do Acre, especificamente da 4ª zona sediada em Cruzeiro do Sul, precisa se manifestar, pois devem explicações ao povo Cruzeirense. Precisa dizer qual desfecho dará para o principal fato de corrupção eleitoral ocorrida no Acre, nas eleições de 2016.

Se não ouvi corrupção, os acusados precisam serem inocentados e desculpados pelos constrangimentos e assim assumirem seus postos aos quais foram eleitos, mas se ouve comprovação de crime, terão que ter atitudes para dar um basta ao abuso do poder financeiro nas eleições e garantir igualdade de disputa a que a democracia exige.

Share this:

Comentários