24 de novembro de 2016

Ministério da Saúde Não está Enviando Remédio de Combate a Malária para Região Norte

Medicamento contra malária está em falta em Cruzeiro do Sul e Vigilância em Endemias Cobra ação do Ministério da Saúde para Solucionar o Problema.

Com quase 14 mil casos de malária registrados entre janeiro e outubro deste ano, a cidade de Cruzeiro do Sul está desabastecida do medicamento contra a doença. Há mais de 10 anos, a doença se mantém como epidemia no município e, mensalmente, atinge centenas de pessoas.

O gerente de Endemias, Hélio Cameli, confirmou a informação e disse uma remessa com 6 mil comprimidos chegou ao município e está previsto para durar uma semana.

A dona de casa Maria Ferreira, de 33 anos, conta que o sobrinho de 15 anos procurou o Hospital do Juruá e recebeu apenas três, das sete doses que o tratamento necessita.

“Fomos ao hospital e lá foi descoberto que ele estava com malária. Só deram três doses do tratamento porque não tinha remédio na cidade”, diz.

Cameli informou que a cidade está mesmo sem abastecimento do medicamento. “É muito preocupante essa situação sim, porque, segundo as informações, o Ministério da Saúde não tem esse medicamento e é um problema de toda a região Norte”, explica.

Hélio disse ainda que o tratamento está sendo feito com cloroquina e que muitas vezes ela é suficiente para a cura do paciente. “Mesmo sem a primaquina, estávamos atendendo os pacientes só com a cloroquina.

Em parte resolve porque a função da cloroquina é eliminar a dor no corpo e a febre. A cloroquina age no sangue, mas o parasita no fígado só é eliminado pela primaquina que está em falta”, finaliza.
Há mais de 10 anos, Cruzeiro do Sul se mantém em epidemia de malária  (Foto: Anny Barbosa/G1) 
Há mais de 10 anos, Cruzeiro do Sul se mantém em epidemia de malária (Foto: Anny Barbosa/G1)