Delatado pela Odebrecht, Moreira Franco se prepara para deixar o governo

247 com Reuters – O secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, está com a carta de demissão pronta, mas ainda não a apresentou ao presidente Michel Temer, disse uma fonte do governo.

Moreira Franco, citado em delação de ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, no âmbito da operação Lava Jato, é um dos líderes do PMDB mais próximos a Temer. Segundo a fonte, que pediu anonimato, a decisão de sair seria para não prejudicar o governo.

Em sua delação premiada à força-tarefa da Lava Jato, o ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho afirmou que tratou com Moreira Franco sobre negócios da empreiteira na área de aeroportos. Moreira é atual secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo Temer.

O delator relata pedidos da empreiteira e “pressão” por parte do peemedebista, que também é linha de frente de Temer. “Em algumas oportunidades me reuni com Moreira Franco para tratar sobre temas afetos à aviação civil. Moreira Franco é um político habilidoso e se movimenta muito bem nas ações com seus pares. Acredito que há uma interação orquestrada entre ele e Eliseu Padilha (ministro da Casa Civil) para captação de recursos para o seu grupo do PMDB”, diz Cláudio Melo.

Segundo o delator, Moreira Franco era identificado nas planilhas da propina com o codinome “Angorá”. O ministro teria solicitado a ele “um apoio de contribuição financeira, mas transferiu a responsabilidade pelo recebimento do apoio financeiro para Eliseu Padilha”.

Os 77 delatores da Odebrecht começam a prestar depoimentos para a força-tarefa nesta segunda-feira, 12. O delator listou em seu anexo da colaboração (documento em que ele apresenta os temas que poderá falar no acordo) seis ocasiões em que tratou assuntos relacionados a aeroportos.


Share this:

Comentários