Planalto comemora decisão do STF que teve apelo de Temer e dois ex-presidentes

Cúpulas do Senado, do PMDB e do PSDB atuaram junto a ministros do Supremo

Por
O presidente Michel Temer - Jorge William / Agência O Globo

BRASÍLIA - O Palácio do Planalto comemorou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) desta quarta-feira que manteve Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado. Preocupado com o risco de uma paralisia da votação de matérias do ajuste fiscal, como a PEC que estabelece o teto de gastos pelo poder público, o presidente Michel Temer se mobilizou desde a tarde de terça para tentar uma "solução alternativa" à liminar do ministro Marco Aurélio Mello, que retirava Renan do poder.

Depois do presidente do Senado ser chamado ao Planalto pelo presidente Michel Temer, às 15h de terça, se consolidou a estratégia de buscar uma alternativa para não afastá-lo do cargo, sem desrespeitar o preceito de que réu não pode estar na linha sucessória da Presidência da República. Foi então que começou uma intensa mobilização da "alta cúpula" política do país para que o STF reformasse a decisão liminar.

Cúpulas do Senado, do PMDB e do PSDB, ex-ministros do STF, e os ex-presidente da República José Sarney e Fernando Henrique Cardoso passaram a atuar junto a ministros do STF, num apelo para que não se ampliasse o clima de instabilidade política no país, com o afastamento de Renan a poucos dias do início do recesso parlamentar.
Segundo um interlocutor presidencial, a solução encontrada foi uma construção de "alto nível", na qual Temer teve "participação ativa".

— Se acham ruim com Renan, para o governo seria pior sem ele — disse este auxiliar.

Às 18h de terça, Temer foi para a Base Aérea de Brasília para embarcar para um evento em São Paulo. Levou no seu voo o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves; os ministros tucanos José Serra (Relações Exteriores), Bruno Araújo (Cidades) e Alexandre de Moraes (Justiça), além de parlamentares.
Nesta viagem, se firmou um acordo para buscar uma saída que não representasse uma derrota de Marco Aurélio Mello, nem uma vitória de Renan Calheiros. Em São Paulo, as articulações continuaram e, quando o grupo retornou à Brasília, por volta da 1h desta quarta-feira, a solução intermediária, de manter Renan no comando do Senado e fora da linha de sucessão, estava sacramentada.

APOIO DE PETISTA É CONSIDERADO FUNDAMENTAL

Além da mobilização entre aliados de Renan, o governo considerou fundamental o apoio do petista Jorge Viana. A leitura do Palácio do Planalto é a de que o gesto de ele ter ido ao STF conversas sobre uma solução ao afastamento de Renan, sendo o principal beneficiário da medida, colaborou para um ambiente de entendimento.


Logo após o término da sessão do Supremo, Temer conversou com Renan por telefone. Avaliaram a decisão e sacramentaram a votação da PEC do teto para a próxima terça-feira.
No Planalto, o tom do voto da presidente do STF, Cármen Lúcia, também foi visto como um movimento de "conciliação interna".

— A solução do STF distensionou o ambiente, foi um momento de racionalidade que o país precisava neste momento. O governo entende que possa haver manifestações, mas o país precisa de estabilidade e a prioridade é a estabilidade institucional — comentou um auxiliar presidencial.

Share this:

Comentários