17 de abril de 2017

Delação aponta fraudes em 4 obras em São Paulo e envolve Serra e Kassab


O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) costumava dizer que o túnel que Gilberto Kassab (PSD) planejava construir em 2009 na avenida Roberto Marinho, uma obra de R$ 2,3 bilhões, era "um shopping center da corrupção".

"Shopping" no sentido de que havia ali de tudo: suspeita de superfaturamento, cartel, pagamentos antecipados e alteração no projeto para favorecer empreiteiras.

A delação da Odebrecht aponta que em pelo menos um ponto Haddad tinha razão. A obra foi direcionada para a empreiteira, segundo o ex-diretor da Odebrecht Carlos Armando Paschoal: esse tipo de obra era uma especialidade da construtora.

Fotomontagem
Brazil's Foreign Minister Jose Serra looks on during a meeting with the president of the Venezuelan National Assembly, Deputy Julio Borges (out of frame) at Itamaraty Palace, in Brasilia, February 8, 2017. / AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE//ORG XMIT: YCH029 Jose Serra (C), the mayoral candidate of the Brazilian Social Democracy Party (PSDB), talks with Sao Paulo state governor Geraldo Alckmin (R) and Sao Paulo Mayor Gilberto Kassab at a polling station in Sao Paulo, Brazil, on October 07, 2012. Brazilians trooped to the polls early Sunday to vote in nationwide municipal elections seen as a key test of the ruling Workers Party's popularity ahead of the 2014 presidential elections. AFP PHOTO/YASUYOSHI CHIBA
O senador José Serra (esq.) e o ministro Gilberto Kassab, ambos investigados na Lava Jato
Outras grandes obras, sobre as quais havia suspeitas de corrupção, aparecem na delação da empreiteira, como a linha 2-verde do Metrô, o Rodoanel e a Arena Corinthians. Nas quatro obras, os pagamentos ilícitos da Odebrecht somam R$ 32 milhões. O maior deles, de R$ 17,9 milhões, foi pago na obra do Metrô.
Na linha 2-verde do Metrô, um contrato de 1991 foi usado para retomar a obra em 2006, contrariando a lei que determina que um contrato público vale por cinco anos.
A Odebrecht diz que conseguiu reativar o negócio pagando R$ 10 milhões ao então presidente do Metrô, Luiz Carlos Frayse David, e R$ 3 milhões para dois diretores da companhia, Sérgio Brasil e Décio Tambeli.

Editoria de Arte/Folhapress
LINHA VERDEObras fraudadas em São Paulo Segundo delatores da Odebrecht

A obra ficou ficou R$ 37,7 milhões mais cara na retomada. Um suposto representante dos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, Luiz Carlos Ferreira, levou R$ 275 mil, segundo os delatores, para que o órgão não apontasse problemas. José Serra (PSDB) recebeu R$ 4,6 milhões nesse contrato, segundo o delator Fábio Gandolfo.
No trecho sul do Rodoanel, Benedicto Júnior, ex-presidente da construtora, disse que houve divisão de obras entre 12 empreiteiras, o que pode caracterizar fraude à licitação e cartel. Então governador, Serra, recebeu R$ 14,2 milhões, dos quais R$ 3 milhões teriam sido pagos à campanha de Kassab à Prefeitura de São Paulo em 2008. Serra e Kassab negam qualquer irregularidade.

Editoria de Arte/Folhapress
VA RODOANELObras fraudadas em São Paulo Segundo delatores da Odebrecht

Houve propina no Rodoanel até quando o preço da obra foi reduzido, segundo a delação da Odebrecht. O autor do pedido foi um diretor do Dersa, Paulo Vieira Souza, conhecido como Paulo Preto. Ele pediu 0,75% do valor dos contratos de R$ 3,6 bilhões, o que equivale a cerca de R$ 27 milhões.
A Odebrecht diz ter depositado a parte dela, de R$ 2,2 milhões, na conta na Suíça de um lobista ligado ao PSDB, José Amaro Pinto Ramos. Outros R$ 4 milhões foram pagos na conta desse mesmo lobista, a favor de Serra, segundo Pedro Novis, ex-presidente da empreiteira.
O túnel da avenida Roberto Marinho mostra como a Odebrecht não fazia distinção entre caixa dois e propina, um crime mais grave. Antes de a obra começar, Paulo Preto a citou ao pedir R$ 2 milhões de propina à Odebrecht.

Editoria de Arte/Folhapress
TÚNELObras fraudadas em São Paulo Segundo delatores da Odebrecht

Carlos Alexandre Paschoal diz que a empresa não aceitou a antecipação porque já havia dado R$ 3,4 milhões para a campanha de Kassab em 2008, via caixa dois. O caixa dois em campanha podia servir para compensar propina.
Um secretário de Kassab, no entanto, ganhou R$ 200 mil antes de a obra começar.
A construção da Arena Corinthians, obra de R$ 1,2 bilhão, foi financiada por métodos heterodoxos, disse Marcelo Odebrecht. O BNDES acertou financiamento de R$ 400 milhões em jantar na casa de Marcelo com Luciano Coutinho, presidente do banco.
Em depoimento, Marcelo afirma que fazer o estádio para a abertura da Copa de 2014 não fazia sentido. "É um absurdo. Você faz o estádio para um dia e depois tem de desmontar um bocado de coisas."

Editoria de Arte/Folhapress
ARENAObras fraudadas em São Paulo Segundo delatores da Odebrecht

Por esse motivo, segundo Marcelo, a obra estimada em R$ 400 milhões saltou para mais de R$ 1 bilhão.
Delatores disseram que o deputados Andrés Sanchez (PT-SP) e Vicente Cândido (PT-SP) receberam R$ 3 milhões e R$ 50 mil para o caixa dois de suas campanhas.
No caso de Cândido, os delatores especificaram que a doação foi feita em 2010 para que ele ajudasse no financiamento.

OUTRO LADO
 
O senador José Serra (PSDB-SP) e os ministros Gilberto Kassab (PSD) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) dizem que não cometeram ilicitude e que as acusações dos delatores são infundadas.
Em nota, Serra diz que sua carreira "sempre foi pautada pela lisura, ética e transparência". E que o inquérito no Supremo Tribunal Federal demonstrará que as acusações são "fantasiosas e infundadas". O senador diz que em 2004 era candidato a prefeito de São Paulo, sem relação com obras "nem federal, nem estadual e nem municipal".

Kassab diz confiar na Justiça e que as informações prestadas por colaboradores, "não são provas e devem ser analisadas com isenção". Afirma que as doações para suas campanhas foram legais e as decisões que tomou em cargos que ocupou foram técnicas e de interesse público.
A Secretaria dos Transportes Metropolitanos diz que o "Metrô tem rígidos controles sobre seus contratos": "Houve alterações necessárias no projeto original da linha 2, como mudança de traçado e realocação de estações, por conta do alto custo das desapropriações, além de mudanças de métodos construtivos, impacto ao meio ambiente e de preservação do patrimônio arqueológico, histórico e cultural nos canteiros".

Aloysio Nunes diz que há desinformação sobre as acusações da Odebrecht a seu respeito. Para ele, a leitura atenta dos depoimentos, conjugada com a reconstrução de uma "linha do tempo" desde a licitação do Rodoanel até os repasses que delatores dizem ter feito a sua campanha, "basta para derrubar por terra as falsas imputações".

O Tribunal de Contas do Estado afirma que vai "prestar todas as informações que se fizerem necessárias". O órgão diz que vai levantar a situação de todos os processos citados nas delações e tornará público um relatório com as informações.
A Folha não conseguiu localizar os advogados dos demais citados por delatores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe Seu Comentário