28 de novembro de 2017

Temer continua cobrando do povo, a conta de sua permanência no poder

Governo de Michel Temer segue descontando no trabalhador brasileiro, a conta por se manter no poder. O rombo no orçamento por liberação de emendas não previstas nas contas do País, tem feito com que os mais pobres paguem energia, gas de cozinha e combustíveis mais caros. Essa semana mais aumento nos gás de cozinha, energia e combustível foi anunciado.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou nesta segunda-feira (27) que a bandeira tarifária para o mês de dezembro será vermelha, mas no patamar 1, com custo um pouco menor, de R$ 3 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos.
Desde outubro, vigorava o patamar 2 na cobrança nas contas de luz, tarifa mais cara prevista na distribuição das bandeira e que implica a cobrança de taxa extra nas contas de luz de R$ 5 a cada 100 kWh consumidos, após reajuste anunciado em novembro. Em setembro, vigorou na cobrança das contas de luz a bandeira amarela, que aplicou uma taxa extra de R$ 2 para cada 100 kWh.
De acordo com a agência, houve uma ligeira melhora na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas. A Aneel disse ainda que, embora não haja risco de desabastecimento, é preciso reforçar as medidas para evitar o desperdício de energia.
No início deste mês a Aneel anunciou o reajuste de energia elétrica para os mais de 257 mil consumidores acreanos, que passará a vigorar a partir do dia 30/11/17. Para os consumidores residenciais (B1/baixa tensão), o reajuste será de 2,65%. De acordo com a tabela de classificação de consumo, os que se enquadrados na faixa de “baixa tensão”, o reajuste será de 2,57%. Já os consumidores industriais ganharam uma redução de 3,69% , segundo divulgado pela Aneel.
Após gasolina atingir recorde, Petrobras sobe preço mais uma vez
A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (27) que vai subir os preços da gasolina em 1,8% nas refinarias a partir de terça-feira. Por outro lado, os preços do diesel serão reduzidos em 0,2%.
O aumento ocorre após a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) divulgar que, na semana passada, o preço médio da gasolina atingiu um novo recorde nos postos ao subir 2,6% na semana e superar a marca de R$ 4 por litro.
O preço da gasolina atingiu uma média de R$ 4,023 por litro, ante R$ 3,966 na semana anterior, segundo pesquisa da agência reguladora.
Foi o terceiro recorde semanal seguido dos preços da gasolina no país.
Alta de 23,2% em 5 meses
A nova política de preços da Petrobras, anunciada em 29 de junho, busca seguir de perto as cotações internacionais do petróleo, que na sexta-feira atingiram o maior nível em mais de dois anos nos Estados Unidos.

Desde que os reajustes diários de preços foram adotados, há cerca de cinco meses, o preço da gasolina já subiu 23,2%, e os do diesel, 24%, de acordo com cálculos do banco Goldman Sachs.
As variações dos preços da petroleira estatal não necessariamente impactam imediatamente os preços nos postos de combustíveis, uma vez que o repasse depende da cadeia de distribuição e vendas.
A gasolina tem renovado máximas nominais (sem considerar a inflação) nas bombas em uma série histórica da ANP iniciada em 2013, impulsionada também pela decisão do governo federal de elevar tributos dos combustíveis (PIS/Cofins) no fim de julho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe Seu Comentário